Parto sem dor 1

Vamos falar de parto e dor, ou melhor, parto sem dor! Esse é o maior medo das mamães: o terror da dor do parto. Porém, graças à evolução da medicina temos hoje a anestesia, em caso de cesárea, e a analgesia, utilizada no parto normal. Hoje vamos falar de analgesia e como ela age no nosso corpo. Na próxima semana, falaremos de anestesia.
Muita gente se pergunta como conseguiremos agir durante o parto normal se estivermos anestesiadas, não é mesmo? Aí está a grande diferença. No parto normal utilizamos a analgesia, que elimina a dor, porém não retira a sensibilidade tátil e a força motora. Ou seja, apenas as terminações nervosas sensitivas da região, que são os condutores da dor, são bloqueadas. Isso permite que a mamãe continue podendo andar, fazer força, sinta as pernas e região abdominal, para que possa contribuir no processo do parto.

Muitas vezes o fato de estar sem dor contribui para o processo do parto, pois o corpo responde melhor às contrações uma vez que a mãe esteja mais confortável e sem sofrimento. A mais utilizada é a peridural com cateter, que é aplicada antes da dura-máter (membrana que protege a medula), e começa a fazer efeito entre 10 a 15 minutos. É deixado o cateter para que o anestesista possa aplicar novas doses de acordo com a evolução do trabalho de parto. Há o método chamado raquidiano (ráqui) que é utilizado quando a mulher chega ao hospital em trabalho de parto avançado e precisa de analgesia com efeito imediato.

Nos dois casos não há evidências científicas de que a analgesia de parto possa trazer algum tipo de complicação para o bebê comprovada pela ciência. Mas lembre-se, a anestesia pode ser arriscada se manipulada por pessoa inexperiente. Exija sempre o trabalho de um médico anestesista. Parto sem dor é possível sim!
Na próxima coluna falaremos de anestesia no parto cesárea.

Maria Leticia Fagundes



  By - Maria Letícia Fagundes      29/05/2017
 VOLTAR