Fez sexo desprotegido?

Depois do Carnaval, aumenta consideravelmente o número de pedidos de exames de HIV nos postos de saúde. O Ministério da Saúde está cada vez mais divulgando a PEP, Profilaxia Pós Exposição, um coquetel de remédios que deve ser tomado até 72 horas após exposição ao vírus. Entretanto, vale ressaltar e frisar que a PEP não substitui o uso da camisinha e sim é mais uma medida complementar para conter a epidemia de Aids no país.

Muita gente no embalo da festa esquece, se perde e aí o que era festa acaba em tristeza. Aqui não falo só de HIV, mas de várias outras DSTs que têm consequências devastadoras, principalmente para as mulheres, como o HPV que dependendo do tipo pode virar câncer de colo de útero e outras como Clamidia que podem até impedir a mulher de ter filhos.

Não há números claros sobre o aumento de DSTs durante o carnaval, porém há um considerável aumento de testes de HIV após esta época, que indica que as pessoas não se cuidaram. Não é vergonha nenhuma nós mulheres andarmos com camisinha na bolsa. Melhor isso do que que uma doença ou até mesmo uma gravidez indesejada, não é mesmo?

Segundo o diretor do Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais, Fábio Mesquita, o tratamento consiste em quatro comprimidos diferentes (tenofovir, lamivudina, atazanavir e ritonavir), é um medicamento pesado, que deve ser tomado por 28 dias, não é tarefa simples. Concordo e muito com ele! São medicamentos antirretrovirais muito fortes, com uma série de efeitos colaterais. E também não é liberado para qualquer pessoa que fez sexo desprotegido, há uma avaliação ao risco de exposição para selecionar quem se encaixa ou não. Então, não vale se arriscar à toa, né?

Se neste carnaval você se arriscou, procure já um SAE – Serviço de Atenção Especializada em HIV/Aids mais perto de você. Em Curitiba e no Paraná, há vários locais, entre eles o Hospital das Clínicas.

Maria Letícia Fagundes é médica ginecologista e atualmente está vereadora de Curitiba
faleconosco@marialeticiafagundes.com.br



  By - Maria Letícia Fagundes      29/05/2017
 VOLTAR