Performance sexual

Dois momentos mudaram o comportamento sexual de homens e mulheres: a pílula anticoncepcional nos anos 1960, e a introdução de Viagra em 1998.

O Viagra mudou o desempenho sexual dos homens de para sempre. A disfunção sexual masculina antes assunto de portas fechadas passou a ser tratada de modo aberto.

Quanto as mulheres, de acordo com o Centro para Controle e Prevenção de Doenças, 99% das sexualmente ativas entre 2006-2010 utilizaram pelo menos um método contraceptivo.

Em 2004, a Fundação Americana de Distúrbios do Urológicos identificou os transtornos no desejo sexuais das mulheres, como a dificuldade de excitação sexual, transtorno do orgasmo e dor conhecidos como dispareunia e vaginismo.

Aqui está o que você deve saber sobre cada um:

Frigidez

Frigidez é a ausência de pensamentos ou sentimentos sexuais. Esta é uma das questões mais comuns do sexo feminino. Para as mulheres, pode ser estressante e impactar negativamente seus relacionamentos. As causas incluem história de trauma sexual, a má qualidade da relação atual, desequilíbrio hormonal e depressão ou ansiedade.

Transtorno de excitação sexual

É a incapacidade de atingir ou manter uma lubrificação adequada após a estimulação. E muitas vezes sobrepõe-se com distúrbio do desejo sexual. Ele também pode ser dependente da fase da vida de uma mulher.

A menopausa, por exemplo, que é caracterizado por uma significativa perda de estrogênio, pode ter um enorme impacto sobre a atividade sexual das mulheres. A perda de estrogénio pode conduzir à perda da lubrificação vaginal e causar atrofia vaginal, determinando relações sexuais dolorosas.

Para as mulheres que não estão na menopausa, distúrbio da excitação sexual pode ser causado por uma falta de fluxo sanguíneo para os lábios, baixo desempenho do parceiro, irregularidade da produção hormonal e outros fatores.

Excitação e desejo caminham lado a lado. Pena que os homens tendem a esquecer que as mulheres precisam de mais preliminares. Por isto o ideal e começar o aquecimento antes de ir para a cama.

Maria Leticia Fagundes



  By - Maria Letícia Fagundes      29/05/2017
 VOLTAR